Home África A Guiné-Bissau e as greves

A Guiné-Bissau e as greves

por Antonio Sousa

Mais bem reconhecidos que os trabalhadores do Pingo Doce em Portugal estão os funcionários contratados do Hospital Nacional Simão Mendes, principal hospital da Guiné-Bissau, que puderam anunciar hoje que suspenderam a greve, depois da direção daquele estabelecimento hospital garantir que vai cumprir parte das reivindicações.

“O sindicato base do pessoal contratado do Hospital Nacional Simão Mendes informa todos os seus associados que a greve foi levantada, devido a um acordo encontrado com o patronato”, refere, em comunicado à imprensa, o sindicato.

O sindicato esclarece que a greve foi levantada depois de a direção do hospital se comprometer a “cumprir 50% das reivindicações”.

Iniciada na quinta-feira, estava prevista decorrer até 31 de dezembro pois os trabalhadores exigiam o pagamento de dois meses de salários em atraso (outubro e novembro de 2018), o pagamento do subsídio de vela de janeiro de 2015 e dezembro de 2018, a efetivação nos quadros dos funcionários contratados mais antigos e a melhoria das condições de trabalho.

Haverá mais Democracia económica na Guine Bissau que em Portugal ?

Foto de destaque: jbdodane on Visual Hunt / CC BY-N

Antonio Sousa

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.