"Entre 4 e 10 de fevereiro de 2024, as Forças Armadas da Federação Russa realizaram 31 ataques com armas guiadas de precisão, incluindo armas aéreas e marítimas de longo alcance e veículos aéreos não tripulados contra instalações da indústria militar-industrial ucraniana complexo.

As instalações de produção de empresas que produzem e reparam aeronaves, UAVs de vigilância e ataque e embarcações de superfície não tripuladas, sistemas de mísseis táticos operacionais e costeiros, bem como foguetes para sistemas de foguetes de lançamento múltiplo, foram atingidas", disse o ministério.

O Ministério da Defesa russo acrescentou que os locais de implantação de unidades militares ucranianas, nacionalistas e mercenários estrangeiros também foram atingidos.

“Os objetivos dos ataques foram alcançados”, concluiu o Ministério da Defesa russo.

Entretanto a defesa bem-sucedida das suas posições pela Rússia contra as tropas ucranianas levou a Nato a repensar as suas estratégias de defesa, como relata um artigo publicado pelo The Economist.

“As fortificações russas no sul e no leste da Ucrânia foram as obras defensivas mais extensas na Europa desde a Segunda Guerra Mundial”, escreveu a revista, citando análises do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, um grupo de reflexão estadunidense.

Em Novembro, o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, encarregou os seus comandantes de acelerar a construção de fortificações e abrigos na fronteira com a Rússia e a Polónia também começou a construir as suas próprias defesas na fronteira com a Bielorrússia, enquanto a Letónia, a Lituânia e a Estónia concordaram em criar a sua própria "linha de defesa colectiva", diz o artigo.

Anteriormente, as autoridades estónias anunciaram que teriam de construir 600 bunkers de betão ao longo da fronteira com a Rússia.

A revista diz ainda que os governos da Letónia e da Lituânia precisarão de 1.116 e 2.758 bunkers, respectivamente, se quiserem construir fortificações com densidade semelhante.

O artigo diz que isto “cria um dilema” para outros membros da NATO, cujos exércitos há muito que preferem uma estratégia diferente de “defesa elástica”.

De acordo com este conceito, as forças recuam conforme necessário e enfrentam o inimigo em terreno mais favorável e o The Economist escreve que esta estratégia “é incompatível com a defesa de cada centímetro do solo da OTAN”

Joffre Justino

--

 



*) Considere apoiar o “Estrategizando” com contribuições trimestrais de 18 euros, semestrais de 36 euros ou anuais de 60 euros, utilizando as informações bancárias fornecidas. O seu apoio é fundamental para continuarmos a informar e analisar questões críticas como esta.

NIB: 0036 0170 9910 0117 6978 7

ou

Entidade: JOFFRE JUSTINO

IBAN: PT50 0036 0170 9910 0117 6978 7, SWIFT: MPIOPTPL (solicitamos também o envio de um e-mail para editor@estrategizando.pt com o nome, o endereço e o seu comprovativo do valor da transferência realizada).