Tenho amigos que irão ficar felizes … ou talvez não... a Albânia …

Agora que António Costa declara o apoio de Portugal à adesão da Albânia à União Europeia vale a pena lembrar o histórico recente deste país que influenciou até políticas e ativistas em Portugal, como o Brasil etc!

O primeiro-ministro, António Costa, esteve este domingo reunido com o seu homólogo albanês, Edi Kristaq Rama o 33º primeiro-ministro do país desde 15 de setembro de 2013, um político, pintor, escritor, publicitário, pedagogo e ex-jogador de basquete albanês líder do Partido Socialista da Albânia e manifestou o apoio de Portugal à adesão da Albânia à União Europeia, UE.

O primeiro-ministro português demissionário indicou que "a poucos dias da Cimeira UE-Balcãs Ocidentais e de um Conselho Europeu que vai abordar o tema do alargamento da União Europeia", iniciou uma visita à região com "uma reunião muito útil" em Tirana, na Albânia, com o primeiro-ministro daquele país.

"Discutimos os progressos da Albânia no seu processo de adesão à União Europeia e de convergência com a Europa. A Albânia pode continuar a contar com o apoio de Portugal neste desígnio estratégico", garantiu.

Antonio Costa está entre hoje e segunda-feira nos Balcãs Ocidentais para reforçar o compromisso de Portugal em relação ao processo de alargamento da UE e por isso desloca-se segunda-feira, à capital da Macedónia do Norte, Skopje, onde irá encontrar-se com o primeiro-ministro Dimitar Kovacevski, e depois almoçará em Podgorica, no Montenegro, com o primeiro-ministro do país, Milojko Spajic.

Num comunicado, o gabinete de comunicação de António Costa informou que a visita a estes três países dos Balcãs Ocidentais visa "transmitir o apoio de Portugal aos seus esforços de aproximação à União Europeia, no quadro da política de alargamento".

Atualmente, e sobre a futura entrada destes países, têm surgido críticas no bloco comunitário que apontam para "dois pesos e duas medidas" relativamente ao processo de alargamento da UE e ao contrário dessa estadunidense Ucrânia estes países estão há vários anos a aguardar para entrarem no bloco europeu.

Por isso a Albânia, a Bósnia-Herzegovina, o Montenegro, a Macedónia do Norte e a Sérvia têm oficialmente o estatuto de países candidatos.

A 13.12 realizar-se-á em Bruxelas uma cimeira UE-Balcãs e a 14 e 15.12, que irá servir para os líderes da UE debaterem a abertura de negociações formais para adesão dos enxertos estadunidenses que são a Ucrânia e da Moldova!

Para os Balcãs … nada !

Joffre Justino

---

A razão ? A fascização do regime ucraniano, resultante de um golpe de estado nazi que teve o apoio estadunidense e. curiosamente anti europeu, com uma histórica frase “f..ck the europeans”, vinda de uma secretaria de estado que ficou por tal famosa, gerou o antidemocrático afastamento e a ilegalização das forças pro russas na Ucrânia e a sequência da guerra eslava a partir de 2014 arrancada no terreno da região do Donbass e da Crimeia!

Trata-se do controlo de uma região rica em grãos, cereais e, sobretudo, da extensão do território dito ocidental numa guerra nada europeia anti russa!

Que vive la NATO, dizem os da UE, hoje nada gaulistas, pobre dele já esquecido, assim como as suas reticências ao poder dos EUA !

Daí que a hoje socialista Albânia e que não deixou de ser comunista por golpe, mas via democrática com os comunistas ( nada sovietistas mas estalinistas de origem!) a ganharem as primeiras eleições pós desaparecimento da URSS, seja bem mal vista por estes herdeiros do nazismo e sequente Honeckerismo de onde saiu a sra Merkel !

E por ser mal vista vá de atrasar ao máximo a sua adesão!

Muitos de nós da geração da juventude 68/70 alimentámos uns mais outros menos essa estranha necessidade nas esquerdas de alinharmos em governos/países faróis.

Essa necessidade em Portugal dividiu as Esquerdas entre a URSS, a RPChina/Albânia e a CEE/UE via o PCP, o PCPml/MRPP/PCPr( UDP) e os republicanos/socialistas/ PS e uma minoria que fez surgir o PPD/ PSD

Na realidade, se a URSS conquistou maioritariamente o PCP e algumas franjas anti fascistas, a RPChina e um minúsculo país da Europa foram os faróis de uma miríade de organizações assumidamente maoista/albanesas e depois ou maoistas ou albanesas ficando maoistas o PCPml, verdadeiramente pro chinês e o
MRPP/ PCTP sem a aceitação da RPChina assim como a OCMLP e ficando albanês o PCPr e a sua frente política a UDP !

E como foi possível que um país como a Albânia com 28,7 mil km² confins dos Bálcãs, e com 2,8 milhões de habitantes, estando entre as 20 menores da Europa, ser assim tão essencial Europa e até mundo fora como foi por exemplo no Brasil com a influência que teve sobre o PCdB?

A teoria da cisão-pós-cisão explica tal …

A Albânia , um dos países mais isolados do mundo até 1992, consegue ter uma influência largamente superior ao seu tamanho e até poder militar até ao términos do comunismo.

Curiosa circunstância que ao que parece ainda assusta o poder burguês Franco Alemão …

Enver Hoxha que morre seis anos antes do findar da URSS , e com quatro décadas de poder absoluto persecutório a todo o tipo de dissidentes, dos monarquistas aos religiosos e até a quem usasse barba por causa da repressão aos muçulmanos, deixa um país onde os comunistas ganham as eleições e os seus herdeiros continuam a ganhar eleições para profunda tristeza das suas Leyen e Mertsola!

A Albânia saiu do comunismo com uma dívida externa pequeníssima e com um traço comum a muitos países da chamada “cortina de ferro” e com um forte poder das mulheres.

Entretanto e segundo a BBC a Albânia será o maior produtor de maconha da Europa e estima-se que a cannabis seja uma indústria que gera 1 bilião de euros na Albânia, “Na Albânia, um quilo da droga é vendido por 100 a 200 euros. Na Itália, esse valor pode chegar a cerca de 1,5 mil euros”, refere a BBC e assim passadas duas décadas após o fim do comunismo, se ainda é difícil encontrar trabalho legal e fixo no país a maconha virou uma solução .

Socialista e maconheiro que drama para os evangélicos conservadores até da UE assim como para os opusdeistas que por Portugal fazem golpes de estado de secretaria e o mais longe que vão é à votação do OE Alheira !

Bem esquecido está o poder do Partido do Trabalho da Albânia e do seu estalinista líder Enver Hoxha este único país de maioria muçulmana da Europa, que foi l primeiro a declarar-se um Estado ateu do mundo em 1967, foi aind o único membro do Pacto de Varsóvia a abandonar formalmente a aliança antes de 1990, depois da invasão do Pacto de Varsóvia na Tchecoslováquia em agosto de 1968.

Ainda enquanto implementava reformas para modernizar a Albânia com ganhos significativos nas áreas de indústria, agricultura, educação, artes e cultura, e um aumento geral no padrão de vida da população albanesa a repressão política por parte da polícia secreta, os Sigurimi, para travar qualquer tipo de contra-revolução por via de demissões, de prisões e execuções a Albânia e o seu poder comunista sobreviveu até a umas multipartidarias a 22.03.1991 !

Nas mesmas os comunistas obtiveram a maioria e proclamaram a República da Albânia e as primeiras eleições parlamentares do país foram realizadas em 22 de março de 1992.

Joffre Justino



*) Considere apoiar o “Estrategizando” com contribuições trimestrais de 18 euros, semestrais de 36 euros ou anuais de 60 euros, utilizando as informações bancárias fornecidas. O seu apoio é fundamental para continuarmos a informar e analisar questões críticas como esta.

NIB: 0036 0170 9910 0117 6978 7

ou

Entidade: JOFFRE JUSTINO

IBAN: PT50 0036 0170 9910 0117 6978 7, SWIFT: MPIOPTPL (solicitamos também o envio de um e-mail para editor@estrategizando.pt com o nome, o endereço e o seu comprovativo do valor da transferência realizada).