Paulo Cafôfo foi eleito no sábado, 02,12, de novo o líder do PS Madeira e a defender que é preciso um novo Governo para a região e que não aceita os altos níveis de pobreza que existem, nomeadamente entre pessoas que trabalham.

"Estamos infelizmente - e digo isto com alguma vergonha - com os piores índices de pobreza e exclusão social do país. Não posso consentir que quem trabalha possa estar condenado à pobreza, que é o que se passa na região, e, portanto, os mesmos de sempre acabarão por fazer o mesmo de sempre. Se não mudarmos de Governo, nada mudará. Os sacrificados de sempre serão os mesmos, os privilegiados de sempre serão os privilegiados de sempre. Sempre não é futuro para os madeirenses e porto-santenses", disse à TSF Paulo Cafôfo.

Na verdade, apesar de em 2022, a Madeira ter registado 8,4 milhões de dormidas de turistas, o valor mais elevado de sempre com um crescimento de 12,4% face a 2019, correspondente a 33 dormidas de turistas por habitante (a média nacional é de sete dormidas por residente), apesar da inflação na região autónoma ser de 6,9%, ligeiramente inferior à média nacional, 7,8% ser a mais baixa em bens como habitação, água, eletricidade e gás (na Madeira a inflação destes bens foi de 4,6% enquanto a nível nacional foi de 12,8%), mas elevada em restaurantes e hotéis (chegou aos 15,1% quando a nível nacional foi de 11,7%) a verdade é que um em cada quatro madeirenses vivia em risco de pobreza ( 25% da população com menos de 551 euros mensais) e cerca de 6.500 pessoas a receberem o Rendimento Social de Inserção (2,9% da população residente, em linha com os valores nacionais), das quais 53% eram mulheres, 35% tinham menos de 25 anos e 27% tinham 55 ou mais anos!

Também a taxa de desemprego madeirense é superior à média nacional, em 2022 eram 9.200 as pessoas desempregadas, representando uma taxa de 7%, acima dos 6% da taxa nacional, embora esta tenha sido a taxa de desemprego mais baixa desde 2011.

A taxa de analfabetismo na região, de 4,5%, é a segunda maior do país (a primeira, de 5%, pertence ao Alentejo, em comparação com a média nacional, de 3,1%) e a taxa de abandono escolar (10,6%) é também superior à média nacional (5,9%) e os níveis de escolaridade são mais baixos do que a média nacional: 17,5% têm o ensino superior (24,5% na totalidade do território) e 21,7% da população tem, no máximo, quatro anos de escolaridade (versus 19% a nível nacional).

Eis o resultado de 49 anos de gestão PSD !

O atual secretário de Estado das Comunidades, Paulo Cafôfo esclarece que não vai sair do Governo da República por não encontrar motivos para isso.
"Não há aqui qualquer alteração relativamente à minha liderança do Partido Socialista Madeira. Fui eleito este fim de semana e a minha situação e posição no Governo continua inalterável, não há motivos para que possa ser de outra forma. Não há aqui nada que seja inconciliável com a minha atividade enquanto líder do PS Madeira e as minhas funções no Governo. Aliás, à semelhança do que acontece com outros membros do Governo, que também são líderes de federações do Partido Socialista", argumenta o líder do PS Madeira.

Paulo Cafôfo, que foi presidente da Câmara do Funchal e conseguiu derrotar a maioria absoluta que o PSD sempre tinha detido no principal município da Madeira, regressa assim pela segunda vez, à liderança do PS regional, tendo sido eleito em 25 de julho de 2020.

Entretanto , após as eleições autárquicas de 26 de setembro de 2021, renunciou aos cargos de presidente do partido e de deputado na Assembleia Legislativa na Madeira, devido aos maus resultados obtidos e foi substituído por Sérgio Gonçalves que, depois do partido ter visto reduzido o seu grupo parlamentar na Assembleia Legislativa da Madeira de 19 para 11 deputados também anunciou que não se recandidataria à liderança.

Paulo Cafôfo, apoiante da candidatura de José Luís Carneiro à liderança do PS, é responsável pela moção de estratégia global intitulada Pelas Pessoas, a Nossa Causa, que conta com mais de 1.000 subscritores, e será votada no congresso regional desta estrutura regional socialista agendada para 14 de janeiro.

Joffre Justino

---



*) Considere apoiar o “Estrategizando” com contribuições trimestrais de 18 euros, semestrais de 36 euros ou anuais de 60 euros, utilizando as informações bancárias fornecidas. O seu apoio é fundamental para continuarmos a informar e analisar questões críticas como esta.

NIB: 0036 0170 9910 0117 6978 7

ou

Entidade: JOFFRE JUSTINO

IBAN: PT50 0036 0170 9910 0117 6978 7, SWIFT: MPIOPTPL (solicitamos também o envio de um e-mail para editor@estrategizando.pt com o nome, o endereço e o seu comprovativo do valor da transferência realizada).