Médicos e Governo chegam a acordo para aumentos salariais

O acordo foi alcançado com o Sindicato Independente dos Médicos.  É verdade, o governo chegou esta terça-feira,28.11, a um "acordo intercalar" com o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) para um aumento dos salários em janeiro de 2024 e deu por findas as negociações.

O anúncio foi feito em comunicado pelo Ministério da Saúde após uma nova ronda negocial com os sindicatos, enquanto que a Federação Nacional dos Médicos (Fnam) recusou aceitar o acordo.

Erro crasso da Fnam! Há que olhar para termos comparativos entre os salários conquistados pelos médicos e os salários dos restantes setores profissionais!

O acordo obtido para os médicos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) prevê um aumento de 14,6% para os assistentes hospitalares com horário de 40 horas, de 12,9% para os assistentes graduados e de 10,9% para os assistentes graduados seniores.  "Modelo similar será aplicado a cada a uma das carreiras médicas", assinala o Ministério da Saúde, acrescentando que o aumento salarial acordado aplica-se a todos os médicos, "privilegiando as remunerações mais baixas".

Diz o ministério, "trata-se de uma solução que garante a estabilidade do funcionamento do SNS, pilar do acesso à saúde em Portugal".
"Nas atuais circunstâncias políticas, e não tendo havido atempadamente consenso sobre todas as matérias negociadas, nomeadamente a redução de horário para as 35 horas, o Governo propôs aos sindicatos a celebração de um acordo intercalar para o aumento salarial dos médicos sem alteração do período normal de trabalho", justifica o Ministério da Saúde.

O SIM tinha proposto "um acordo intercalar" para 15% de aumento salarial para todos os médicos em 2024, valor intermédio entre o proposto anteriormente pelo Governo e o reclamado pelos sindicatos. O acordo hoje alcançado com o SIM será acompanhado, "nos próximos dias", pela regulamentação da dedicação plena e dos novos incentivos das Unidades de Saúde Familiar e dos Centros de Responsabilidade Integrados, adianta o comunicado do Ministério da Saúde.

De acordo com a tutela, os cerca de dois mil médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar que transitam para as Unidades de Saúde Familiar modelo B no início de 2024 terão um aumento de cerca de 60% na sua remuneração e os médicos dos centros de saúde e dos hospitais que queiram aderir ao regime de dedicação plena terão um aumento salarial, em janeiro, superior a 43%.

O Ministério da Saúde saúda "o empenho de todas as partes nas negociações" - que decorreram durante mais de um ano e foram pautadas por várias greves - e chama a si o "enorme esforço para ir ao encontro das reivindicações das estruturas sindicais, tendo como princípio uma solução que reforce o SNS e um quadro de responsabilidade orçamental e equilíbrio entre as carreiras da administração pública".

Joffre Justino

---



*) Considere apoiar o “Estrategizando” com contribuições trimestrais de 18 euros, semestrais de 36 euros ou anuais de 60 euros, utilizando as informações bancárias fornecidas. O seu apoio é fundamental para continuarmos a informar e analisar questões críticas como esta.

NIB: 0036 0170 9910 0117 6978 7

ou

Entidade: JOFFRE JUSTINO

IBAN: PT50 0036 0170 9910 0117 6978 7, SWIFT: MPIOPTPL (solicitamos também o envio de um e-mail para editor@estrategizando.pt com o nome, o endereço e o seu comprovativo do valor da transferência realizada).