No entanto, convém reparar que os partidos políticos que foram escolhidos pelos três diretores de informação das televisões, controlando desta forma a democracia que é de todos os partidos, foram para os debates sem apresentar os programas políticos.

Isto revela uma novidade que os comentadores se esqueceram de referir, revela também uma incompetência dos partidos e revela também uma estratégia dos três maiores partidos de prometer "tudo e um par de botas"...

Se já sabíamos de ante mão que o PS e PSD iriam sobrepor-se em inúmeras medidas, temos agora o CHEGA a equiparar-se a um "socialismo", o "chegalismo", por ter como objetivo único; prometer tudo a todos, representando desta forma uma desenfreada caça aos votos...

Agradar a certos grupos da população portuguesa como os pensionistas, os professores, etc...torna-se para André Ventura prioritário, prometendo tudo o que tem à mão, como se Portugal vivesse de fundos inesgotáveis ou ficasse à mercê de uma estimativa incerta de um valor que será fruto do combate à evasão fiscal...

O "chegalismo" na prática está muito parecido ao socialismo, com promessas demagogas e impraticáveis.

O novo partido "Nova direita" nesta conjuntura, apresenta-se como um partido responsável que pode "chamar à razão" a megalomania de promessas eleitorais em que caíram os partidos de direita onde as sondagens dizem que os portugueses vão votar.

A responsabilidade de governação e a inexistência de quadros neste "chegalismo" a que assistimos, é de certa forma assustador quanto ao futuro.

Ossanda Liber, líder da "Nova Direita" neste aspeto, a meu ver, tem sabido estar presente nas reivindicações do partido que lidera, aliando a isso, o recrutamento de novos valores da sociedade portuguesa em diferentes áreas profissionais.

O novo "chegalismo" que poderá ser ruinoso para o país, tal como o "socialismo" o foi no passado e será no futuro.

O mais recente partido português "Nova Direita", nesta conjuntura, foi o primeiro partido a apresentar o seu programa no seu site e tem demonstrado uma coerência programática e uma eficácia comunicativa acima das expetativas...não fosse o condicionamento da democracia por parte das televisões e tudo seria mais democrático em Portugal.

Paulo Freitas do Amaral
Professor de História
Membro fundador do partido "Nova Direita"

---

Foto de destaque: IA; representação visual do conceito de "não cumprir o combinado", capturada através de símbolos fortes como um relógio partido, uma bússola quebrada e um contrato rasgado, todos dispostos sobre uma mesa de madeira que evoca a passagem do tempo e a deterioração da confiança. Esta imagem serve como um lembrete do impacto profundo que nossas ações e inações podem ter nas relações e compromissos assumidos.



*) Considere apoiar o “Estrategizando” com contribuições trimestrais de 18 euros, semestrais de 36 euros ou anuais de 60 euros, utilizando as informações bancárias fornecidas. O seu apoio é fundamental para continuarmos a informar e analisar questões críticas como esta.

NIB: 0036 0170 9910 0117 6978 7

ou

Entidade: JOFFRE JUSTINO

IBAN: PT50 0036 0170 9910 0117 6978 7, SWIFT: MPIOPTPL (solicitamos também o envio de um e-mail para editor@estrategizando.pt com o nome, o endereço e o seu comprovativo do valor da transferência realizada).