3 Fevereiro, 2023

Estrategizando

Notícias, Reflexão e Ação.

Pobreza? “Valor mais baixo de que há memória”? Pobreza (?) o PS paga a pobre forma como apoia a comunicação social independente

O PS vive um tempo de total isolamento e de um espantosamente ridiculo cerco que, na verdade resulta somente da aposta que fez na comunicação social status quo.

E assim esta conferência sobre a pobreza foi transformada pelos papparazis num, mais um, ataque ao governo!

O dirigente do PS João Torres tentou realçar que o país teve a maior redução da taxa de pobreza em 2021, aproveitando os recentes dados do INE.

O dirigente do PS João Torres realçou que 734 mil pessoas saíram da situação de pobreza, desafiando a oposição a dar aprovar o trabalho do Governo.

“No que diz respeito à taxa de risco de pobreza, estamos perante o valor mais baixo de que há memória. No entanto, não devemos estar plenamente satisfeitos com estes indicadores. Significa que temos de renovar a ambição”, explicitou João Torres.

João Torres destaca que o Governo “demonstrou que as políticas públicas estão a levar a resultados”, e recusou as teses da oposição “insistir reiteradamente numa mensagem de empobrecimento”.

O Inquérito às Condições de Vida e Rendimento, realizado em 2022 sobre rendimentos do ano anterior, indica que 16,4% das pessoas estavam em risco de pobreza em 2021, menos 2,0 % do que em 2020.

Esta taxa de risco de pobreza referia-de à proporção de habitantes com rendimentos monetários líquidos (por adulto equivalente) inferiores a 6 608 euros (551 euros por mês) em 2021.

A diminuição da pobreza abrangeu todos os grupos etários, embora tenha sido mais significativa para a população idosa com menos 3,1 % e o risco de pobreza dos menores de 18 anos diminuiu 1,9 % . e o dos adultos em idade ativa diminuiu 1,6 %.

O risco de pobreza diminuiu quer para a população empregada, de 11,2% em 2020 para 10,3% em 2021, quer para a população desempregada, de 46,5% em 2020 para 43,4% em 2021.

As transferências sociais, relacionadas com a doença e incapacidade, família, desemprego e inclusão social contribuíram para a redução do risco de pobreza em 5,1 % isto é de 21,5% para 16,4%, um contributo superior ao do ano anterior em 4,6 %.

E se em 2022, a rendimentos de 2021, 2, 006 milhões de pessoas encontravam-se em risco de pobreza ou exclusão social enfim a taxa de pobreza ou exclusão social foi 19,4%, menos 3,0% do que no ano anterior.

Também a desigualdade diminuiu em 2021 com o Coeficiente de Gini a registrar um valor de 32,0%, menos 1,0% do que em 2020 e o rácio S80/S20, que compara a soma do rendimento monetário líquido equivalente dos 20% da população com maiores recursos com a soma do rendimento monetário líquido equivalente dos 20% da população com menores recursos, diminuiu, de 5,7 % em 2020 para 5,1 % em 2021.

Este comportamento pode ser explicado pela evolução dos decis da distribuição dos rendimento pois os 30% das pessoas com menores rendimentos registaram um aumento dos rendimentos monetários líquidos entre 2020 e 2021.

Os resultados do Inquérito, relativos a 2022, indicam ainda a melhoria das condições habitacionais dos residentes, em especial da população em risco de pobreza: a taxa de sobrelotação diminuiu 1,4 % a carga mediana das despesas em habitação foi 10,2%, inferior em 0,3 % à verificada no ano anterior; a taxa de sobrecarga das despesas em habitação atingiu 5,0% da população, menos 0,9% . do que em 2021.

Ainda em 2022, aumentou a percentagem de pessoas que viviam em agregados sem capacidade financeira para manter a casa adequadamente aquecida, 17,5%, mais 1,2 ^ . do que em 2021.

Trata-se de uma evolução, pequena mas evolução que carateriza a política caritativista deste governo e os limites que o bloqueamento da negociação coletiva de trabalho que a CGTP tanto denuncia mas que sendo positiva só não é relevada dada este cerco ao PS e ao seu governo.

Tal mostra como a) o PS paga a sua submissão ao papparazianismo e b) o PS paga o seu isolamento à Esquerda ao recusar a Geringonça

Lamentávelmente o PS não correspondeu à abertura feita pelo PCP para um regresso a acordos à Esquerda e está a isolar-se sem qualquer vantagem em tal!

  • Apoie assinando o Estrategizando, 18 euros trimestre, 36 por semestre e 60 euros ano, a mesma pode ser enviada para o
    NIB: 0036 0170 9910 0117 6978 7
    ou
    Entidade: JOFFRE JUSTINO
  • IBAN: PT50 0036 0170 9910 0117 6978 7,
  • SWIFT: MPIOPTPL e claro, solicitamos também o envio de um e-mail com o nome, o endereço e o comprovativo do valor da transferência realizada.

Photo credit: .^.Blanksy on Visualhunt.com