3 Fevereiro, 2023

Estrategizando

Notícias, Reflexão e Ação.

Reduzir o desmatamento na Amazónia

O Grupo Técnico de Meio Ambiente da equipe de transição do presidente eleito Luzi Inácio Lula da Silva (PT) assumiu numa conferência de imprensa nesta quarta-feira (30), em Brasília, uma redução do desmatamento já no primeiro trimestre do próximo governo.

Como referiu o ex-ministro do Meio Ambiente Carlos Minc (PSB-RJ), a “política ambiental foi arrasada”. “Vai haver redução forte e imediata do desmatamento já no primeiro trimestre do governo Lula. Acabou a moleza, a impunidade”, afirmou. “A tarefa não é pequena. Medidas imediatas: fortalecer o Ibama. Segundo a revogação de decretos. Alguns são os que impedem aplicações de multas. Outros impedem a fiscalização de madeiras”, disse.

Note-se que os índices de desmatamento na Amazônia aumentaram 59% durante o governo de Jair Bolsonaro (PL).

E as estatísticas do Inpe ja tinham relevado 3.332 focos de calor entre os dias 1º e 16 de novembro de 2022 no Amazonas, no Acre e em Rondônia, um aumento de 1.216% na comparação com os 253 incêndios registrados nos três estados no mesmo período de 2021 quando a taxa de desmatamento caiu 67% nos dois mandatos do governo Lula, como já disse em outubro de 2022 a BBC.

O ex-governador do Acre Jorge Viana (PT) afirmou que existe no Brasil “um problema muito sério pelos maus tratos com populações indígenas e descaso com o meio ambiente” pelo que é necessário mudar “normativas que desmontaram estrutura para trabalhar com o meio ambiente”.

“Número de servidores para trabalhar na fiscalização é assustador, falta de recursos para combate incêndio… é praticamente impossível enfrentar. Nossas medidas têm de levar em conta mudanças no modelo de produção, levar em conta 28 milhões que vivem na Amazônia”.

A ex-ministra Izabella Teixeira afirmou ser “dilacerador ver o que foi feito” com o meio ambiente no governo Bolsonaro. “Levei sustos. O mundo não deve cobrar da gente, nós é que devemos cobrar da gente. A exclusão política é sem precedentes. Excluir os brasileiros dos direitos civis associados a direitos ambientais. Não é só incompetência, é decisão política. O Brasil de hoje não tem controle do desmatamento. Consolidou-se nova fronteira de grilagem”.

A ex-ministra Marina Silva (PSB-SP) disse que, “se não dermos conta de reduzir desmatamento, perda da biodiversidade, a gente não vai conseguir nada”. “Temos três pilares: um é o fortalecimento da democracia, combate à injustiça sociais. São 33 milhões vivendo com R$ 1,30 por dia, e o desafio de proteger as bases naturais do desenvolvimento”, acrescentou.

“Temos vontade de cumprir a meta de desmatamento zero até 2030. Combate a atividades ilegais, ordenamento fundiário e apoio a atividades de produtos sustentáveis. O desenho de como isso vai se configurar. Vamos criar instrumentos modernos. Em 2003 fomos capazes de pensar políticas públicas que fizeram diferente.

Foto de destaque: Lon&Queta on VisualHunt.com