Home Activismo Ao lado dos que falam “dos que não querem trabalhar” ou ao lado dos que falam que “querem gerar trabalho”? (Lembremos Sara Furtado a ignorada!)

Ao lado dos que falam “dos que não querem trabalhar” ou ao lado dos que falam que “querem gerar trabalho”? (Lembremos Sara Furtado a ignorada!)

por Joffre Justino

A Democracia até permite estes discursos que até o ideólogo dessa frase o neo liberal Friedman acentua que se refere a algo que não nao vai acima de 3% da população correspondendo ao segmento, micro segmento, dos que vivem assumidamente fora desse sistema que o sr  Ventura também diz que não o encaixam!

No Totalitarismo esse micro segmento vive sob trabalho forçado ou na clandestinidade mais nos matos que nos campos.

Na verdade mesmo numa Democracia económica mitigada como a portuguesa o salário mínimo nacional afeta positivamente 20% da população e o subsidio de desemprego vai aos 6% da população ativa a setembro de 2020!

Assim no contexto económico e não o do neoriquinho sr. Ventura os apoios sociais vão alem dos que se afastam conscientemente do sistema mas há que ter em conta goste ou não o sr. Ventura e seus entes queridos essa mesma população

Claro que o dito sr. Ventura bateu palmas ( e não só ele) aos 9 anos de cadeia impostos a Sara Furtado uma jovem de 22 anos que com mais de 10 anos a viver fora da estrutura familiar tradicional se confrontou com uma sociedade que lhe era estranha mas onde vivia a sua distante mae – a portuguesa! 

Mas na realidade foi o afastamento da comunidade lusa aos problemas que implicam a existência destes marginalizados ( por opção ou por imposição dos limites do sistema) que originou o drama da Sara Furtado e obviamente o stress traumático pós parto que na lusa justiça ( e não só não é sr. Ventura) se quer escandalosamente ignorar! 

Nós estamos  ao lado dos que querem gerar trabalho e nesta frase escandalizem-se não incluímos somente as Empresas pois temos de incluir o Estado Empregador mas também as entidades da economia solidária da social e o Estado Distribuidor de Riqueza com as Prestações sociais que disponibiliza pois ao mercado a busca de consumo com esse adicional de rendimentos distribuídos que reforçando a economia tende a gerar mais emprego 

Ora é nesse contexto que cabe  olhar para o voto contra do Bloco de Esquerda pois o país não pode viver com infantilidades dados  os 3960 novos casos divulgados em pleno dia de votação do OE e o espalhar que nem azeite Mundo fora do Covid-19 com 44,641,798 casos  e 1,176,962 de mortos circunstâncias que sabemo-lo na UE e em Portugal explodirão antes de chegar a tal bazuca europeia pois esta UE é a burocracia viva quase tão maior que a da URSS nos seus mais burocráticos tempos!…

O OE é para 2021 um ano de expectativa e com uma economia em crise gerando menos receitas o que implica uma gestão de contenção até ver!

O que nos espanta é manter-se às Esquerdas o discurso do SNS centrado nos hospitais ( públicos ou privados) quando a Saúde ( a OMS o Diz!) vai mais bem mais longe vai ter de ir às empresas com as Comissões de Higiene Saude e Segurança no Trabalho nas empresas e demais organizações quando o espalhar do Covid-19 passa por aí! 

A Democracia política é anos 20 do século XX absolutamente insuficiente e não é no OE que se resolve o problema oh’s PS, PCP, BE, Verdes e PAN e deputadas independentes, é no levar a Democracia às empresas, às organizações, aos Bairros e até às tendas ao lado dos caixotes do lixo de Santa Apolónia, das Saras Furtado e vizinhos isto é à Democracia económica à Democracia social e à Democracia cultural! 

A Sara Furtado é a Conceição Massano o Dreyfus do século XXI ! 

The Rolling Stones – Living In A Ghost Town

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.