Home Opinião QUEIMA DE LIVROS NO BRASIL

QUEIMA DE LIVROS NO BRASIL

por Paulo Martins

Por Paulo Martins

O Brasil anda à beira de mais um retrocesso vertiginoso. Dias atrás, um casal de idosos do Paraná gravou um vídeo queimando livros do escritor brasileiro Paulo Coelho na lareira de sua casa. O vídeo foi postado nas redes sociais, e em pouco tempo viralizou. 

Tudo indica ter sido minuciosamente planejado e não um ato espontâneo. Tinha toda uma organização bolsonarista por trás e não se descarta uma orientação partida diretamente do governo. Tanto que, mesmo com a gravidade do fato, o governo em nenhum momento se pronunciou. 

Evidentemente, quem cala, consente.

Os autores do ataque insano justificam sua atitude no fato do escritor Paulo Coelho ter criticado algumas vezes o governo Bolsonaro. 

Pretendem, com isso, deixar claro que qualquer resposta em casos como tais, para ter a devida repercussão, deve se direcionar não ao autor das críticas, mas a seus livros. 

Vingam-se nos livros. 

É um exemplo para que outras pessoas sigam o mesmo caminho. E qualquer escritor que se comporte como Paulo Coelho deve ter a mesma resposta. Enfim, foi um ato claramente inspirado no episódio de queima de livros de 1933, na Alemanha, prenúncio do que veria a ser a vitória do nazismo.

Mesmo que o governo não esteja diretamente envolvido no episódio, não há a menor dúvida de que ele foi inspirado nas condutas de Bolsonaro, que desenvolve uma política genocida para a cultura brasileira, com o objetivo de destruí-la. 

É muita coincidência que, logo a seguir o Itamaraty tenha emitido ordem interna para que todas as embaixadas ataquem o ex-presidente Lula e defendam o governo Bolsonaro. 

Acompanha esta ordem um vídeo em inglês, legendado em português, de quase 10 minutos, contendo um ataque cerrado a “Lula e sua gangue de bandidos”, e defendendo Bolsonaro como o “democrático, honesto e corajoso” presidente do Brasil. 

A ordem é espalhar este vídeo pelo mundo, num momento em que o país está completamente desacreditado. O maior sonho de Bolsonaro é transformar em crime qualquer crítica feita ao governo. E muitas ações judiciais de sua iniciativa comprovam este objetivo.

A Academia Brasileira de Letras e o Pen Clube do Brasil não podiam ficar calados diante da queima de livros de Paulo Coelho, que é membro das duas organizações. e emitiram notas oficiais contundentes contra o ato selvagem. Na primeira, a ABL conclui com estas palavras:

“Dar fogo aos livros traduz um símbolo de horror. Evoca um passado de trevas. Como esquecer a destruição das bibliotecas de Alexandria e Sarajevo, os crimes de Savonarola e as práticas do nacional-socialismo? O Brasil precisa de livros, bibliotecas e leitores. A linguagem do ódio é redundante e perigosa. Devemos promover, sem hesitação, os marcos civilizatórios e a cultura da tolerância.”

A segunda, assinada pelo seu presidente Ricardo Cravo Albin, finaliza com palavras de igual quilate, para conhecimento do mundo:

“Tanto a solidariedade a Paulo Coelho, integrante da Academia Brasileira de Letras e de clubes literários de todo planeta, quanto o gesto de usar a bastardia de tal censura, cujas origens medievais são sobejamente reconhecidas, não podem, em nenhum momento serem ignorados por nossa sede em Londres e por seus 200 clubes associados nos cinco continentes.”

PM, 

Lisboa, 2 de outubro de 2020

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.