Home Direitos Humanos O que nao pode continuar a ser habitual

O que nao pode continuar a ser habitual

por Joffre Justino
mw-860.jpg

Eis uma nova e forte canção de Luísa Sobral que numa melodia muito Chico Buarque aponta o dedo à ferida fascista que existe ainda em demasia em Portugal.

“E assim morre mais um negro, só por isso de ser negro, o que já é habitual” entre negros, ciganos, transformistas e claro na ainda fragil maioria feminina face a quem alguns juizes acham que tudo pode acontecer.

Esta nova canção de Luísa Sobral, inspira-se claro ( para nós) na estupida  morte do negro ator português Bruno Candé. 

Deixamos aqui também a letra da canção que como é habitual não estará no Eurovisão!

“Ele saiu para a rua

Como era habitual

Bebeu o seu café

Como era habitual

Sorriu para os vizinhos

Como era habitual

Vivendo a sua vida

Uma vida habitual

Foi insultado mal tratado

Como era habitual

Foi alvejado cegamente

Por alguém para quem matar

Havia sido habitual

E assim morre mais um negro

Só por isso de ser negro

O que já é habitual”

Salvé Luisa Sobral ! Os da CPLP te saúdam ! 

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.