Home Economia Comunicado AT, de 07/07: Operação “Hindola” : um caso mais de fraude fiscal!

Comunicado AT, de 07/07: Operação “Hindola” : um caso mais de fraude fiscal!

por Joffre Justino

A “Operação Hindola” cujo comunicado divulgamos em baixo realizou terça feira 142 buscas e a execução de oito mandatos de detenção, (dois no Reino Unido)  por suspeitas da prática, entre outros, dos crimes de associação criminosa, burla tributária, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais. 

Os alvos centraram-se no setor  do comércio por grosso de produtos alimentares e bebidas.

 envolvendo empresas como  o Recheio Cash and Carry, ou do grupo Jerónimo Martins. 

A Autoridade Tributária declarou que a operação pretendia desmantelar uma rede de fraude fiscal, com indícios de uso do esquema de “fraude em carrossel”, envolvendo alguns dos principais grossistas nacionais com a “simulação de transmissões intracomunitárias de bens, como se de vendas para o mercado comunitário se tratassem, mas que, na realidade, eram transacionados em território nacional”, com  “um circuito formal de empresas completamente ficcionado, tanto no estrangeiro, como em território nacional”, que emitiram faturas fictícias com IVA liquidado, nunca entregue nos cofres do estado e, dessa forma, permitiram a alguns destes grossistas obter “ um artificial crédito em sede daquele imposto, cujo montante, em alguns casos, foi solicitado ao estado português sob a forma de pedido de reembolso de IVA”.

Para além de lucrarem com o reembolso do IVA que nunca pagaram, a fraude permitia ainda colocar os produtos envolvidos no mercado “abaixo do preço de custo, gerando assim um efeito adicional de concorrência desleal no aludido segmento

A Autoridade Tributária, valora  em cerca de 4.2 milhões de euros a vantagem patrimonial indevida em sede de IVA.

Fonte da Jerónimo Martins confirmou a “realização de buscas pelas autoridades competentes nas instalações da Recheio Cash & Carry, estando a ser-lhes prestada a colaboração devida”.

Desmantelamento de rede de fraude organizada no setor da comércio por grosso de produtos alimentares e bebidas Comunicado da Autoridade Tributária e Aduaneira 

frutaria_1.png

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), através da Direção de Finanças do Porto e a Unidade de Ação Fiscal da GNR, através do Destacamento do Porto, no âmbito de uma equipa mista de investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto, procederam no dia de hoje à realização de 142 buscas domiciliárias e não domiciliárias efetuadas em Portugal e Espanha, bem como à execução de 8 mandados de detenção (que incluem 2 mandados de detenção europeus no Reino Unido), por suspeitas da prática, entre outros, dos crimes de associação criminosa, burla tributária, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, a empresas e indivíduos que operam no setor do comércio por grosso de produtos alimentares e bebidas.

A presente operação tem em vista o desmantelamento de uma rede de fraude fiscal, em que existem indícios de utilização do denominado esquema de “fraude em carrossel”, envolvendo alguns dos principais grossistas nacionais.

Este esquema delituoso consubstancia-se na simulação de transmissões intracomunitárias de bens, como se de vendas para o mercado comunitário se tratassem, mas que, na realidade, eram transacionados em território nacional. Essas “simulações” de vendas para o mercado comunitário foram complementadas com a criação de um subsequente circuito formal de empresas completamente ficcionado, tanto no estrangeiro, como em território nacional, que incluem vários operadores “missing traders” em Portugal, que emitiram faturas fictícias com IVA liquidado (IVA nunca entregue nos cofres do estado) e, dessa forma, permitiram a alguns destes grossistas obter um artificial crédito em sede daquele imposto, cujo montante, em alguns casos, foi solicitado ao estado português sob a forma de pedido de reembolso de IVA.

Acresce que este esquema investigado permitiu que os referidos bens fossem colocados no mercado abaixo do preço de custo, gerando assim um efeito adicional de concorrência desleal no aludido setor.

Os arguidos lograram, por esta via, obter uma vantagem patrimonial ilegítima que, nesta altura, em sede de IVA, se estima em cerca de 4,2 milhões de euros.

Para a realização desta operação participam 31 Inspetores tributários da Direção de Finanças do Porto, 9 Peritos do Núcleo de Informática Forense da Autoridade Tributária e Aduaneira e 197 Militares da GNR. miciliárias e não domiciliárias efetuadas em Portugal e Espanha, bem como à execução de 8 mandados de detenção (que incluem 2 mandados de detenção europeus no Reino Unido), por suspeitas da prática, entre outros, dos crimes de associação criminosa, burla tributária, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, a empresas e indivíduos que operam no setor do comércio por grosso de produtos alimentares e bebidas.

A presente operação tem em vista o desmantelamento de uma rede de fraude fiscal, em que existem indícios de utilização do denominado esquema de “fraude em carrossel”, envolvendo alguns dos principais grossistas nacionais.

Este esquema delituoso consubstancia-se na simulação de transmissões intracomunitárias de bens, como se de vendas para o mercado comunitário se tratassem, mas que, na realidade, eram transacionados em território nacional. Essas “simulações” de vendas para o mercado comunitário foram complementadas com a criação de um subsequente circuito formal de empresas completamente ficcionado, tanto no estrangeiro, como em território nacional, que incluem vários operadores “missing traders” em Portugal, que emitiram faturas fictícias com IVA liquidado (IVA nunca entregue nos cofres do estado) e, dessa forma, permitiram a alguns destes grossistas obter um artificial crédito em sede daquele imposto, cujo montante, em alguns casos, foi solicitado ao estado português sob a forma de pedido de reembolso de IVA.

Acresce que este esquema investigado permitiu que os referidos bens fossem colocados no mercado abaixo do preço de custo, gerando assim um efeito adicional de concorrência desleal no aludido setor.

Os arguidos lograram, por esta via, obter uma vantagem patrimonial ilegítima que, nesta altura, em sede de IVA, se estima em cerca de 4,2 milhões de euros.

Para a realização desta operação participam 31 Inspetores tributários da Direção de Finanças do Porto, 9 Peritos do Núcleo de Informática Forense da Autoridade Tributária e Aduaneira e 197 Militares da GNR.

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.