Home Covid-19 Da gaffe de Fernando Medina à Saudação a Marta Temido

Da gaffe de Fernando Medina à Saudação a Marta Temido

por Joffre Justino

Se é verdade que a Saúde à Saúde o que merece um reflexão também é esta visão de ver a crise na componente mais visível a Saúde e cegar totalmente no impato integrado do Covid-19 depois destes mais de seis meses ( considerando o momento em que a RPChina avisou a OMS de que algo errado acontecia no reino dos Céus…) de dramática convivência com este vírus 

O Covid-19 gera realmente mudanças significativas na vivência comunitária que parece “ser para esquecer” tal é o silencio que anda à volta dessas evidentes mudanças…

  1. O confinamento ou em familia ou solitario trouxe à comunidade quer o re-experienciar o pequena comunidade familiar, quer a dificuldade em assumir o estar-se quer ( campo inovador) a inserção no ambiente familiar da laboração organizacional via o teletrabalho e tal no seu todo gerou obvias alterações comportamentais desde a) o ser preferível ser afetado que confinado;b) o ser disciplinado em defesa da família e da comunidade; c) o ser confrontado com novos procedimentos laborais sem qualquer formação; d) o conviver com a drástica redução da convivencialidade e dos espaços de lazer 
  2. O confinamento trouxe à vida económica o reconhecimento da sua mais reduzida importância no contexto social dado o foco que o covid trouxe à sobrevivência, individual, familiar e comunitária 
  3. No entanto a visão ainda dominante continua a ser que o económico é essencial e daí a incapacidade em o controlar pelas autoridades que ao poder económico se subordinaram; é certo que o económico é de importância relevante pois sem ele não ha sobrevivência mas o certo é que pelo poder que gera urge ser controlado 

Na verdade o Covid-19 virou um drama global porque o económico desregulamentado o transportou via as elites económicas mundo fora e das elites desceu às bases das sociedades massificando as consequências 

E o caso da disseminação do covid na RLVT é paradimatico – o covid disseminou-se na base social porque esta estava na verdade totalmente desarmada pois os testes nao combatem o covid revelam-no somente nao o combatem nem o previnem 

Nas bases sociais o covid adora os ambientes descontrolados desde os transportes pejados de pessoas, aos apartamentos camaratas às noitadas coletivas e claro aos ambientes organizacionais descontrolados onde o teletrabalho nao pode suceder como os grandes armazéns de bens, as fábricas, ou os lares 

E a incultura organizacional é o fracasso luso nao são os responsáveis locais da Saúde incultura que impede a diversificação dos horarios, a redução das horas de trabalho e a disseminação da filosofia da Higiene Segurança e Saúde no Trabalho e respetivas Comissões!

Ora o poder politico temendo o económico recusa-se digamos até instintivamente a controlar o mesmo mas tarde ou cedo terá de aprender a controlá-lo e o próprio poder económico se quer sobreviver terá de perder o egoismo e a arrogância e reconhecer a virtualidade do controlo interno – organizacional se quiser sobreviver pois a globalizaçao gerando interdependência gera também o transporte e disseminação das doenças como se vê e vive desde a primeira globalização 

Não, não basta a saude e os seus profissionais urge que surjam a montante os que previnem nas organizações a disseminação das maleitas em geral as Comissões de Higiene Segurança e Saude no Trabalho e claro quer a diversificação quer a redução dos horários de trabalho! 

Na realidade se há boa ministra chama-se Marta Temido sem ela e a sua equipa e com as medievais (des) ordens dominantes entre profissionais da Saude o desastre teria sido brutal ( basta lembrarmo-nos das primeiras publicas posições opusdeistas desses desordenados…) mas a sua ação se não integrada com os que lidam no económico e no social o que não sucede e urge acontecer! 

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.