Home Opinião Isolar a Direita e reforçar as relações à Esquerda ! Ou o contrário?

Isolar a Direita e reforçar as relações à Esquerda ! Ou o contrário?

por Joffre Justino

Sim aquele que mergulhou no rio Tejo e perdeu as eleições poderia perdê-las, nas presidenciais, de calções e tudo, se a Esquerda se unisse como se uniu à volta de Jorge Sampaio.

Mas as Esquerdas teimam na divisão e nao fora a liderança de Antonio Costa e já estaríamos sob um governo das Direitas sendp certo que o mesmo Antonio Costa tem boa dose de responsabilidade nesta divisão nas Esquerdas

A razão principal é que continua encerrado no castelo de nuvens do poder cercado por diáfanos anjinhos que lhe cantam belas loas… até ao dia!

O PS perde dia após dia vivacidade criatividade e isola-se da cidadania, até porque anda a copiar via o seu lider Antonio Costa, o inefável selfiesco nas passeatas, cházinhos, e vazias discursatas ( enfim neste campo Antonio Costa não copia o inefável…!) esquecendo que tem de ouvir quem em primeira mão o elegeu – os militantes e simpatizantes do PS!

Sorte do PS ( e de Antonio Costa) que ainda tem um Centeno que não teme “as contas”, uma  Marta Temido que nao teme nem o Covid-19 nem as ordens de medicos e enfermeiros, ou um Pedro Nuno Santos que nao teme os lobbies internacionais , porque um dia que os perca, o PS quedar-se-á ao valor eleitoral de José Luis Carneiro ou de Matos Fernandes – um triste 0’rinho! 

Mais vale recordar o PASOK, o SPD, o PSF…Que querdar-se pelo copianço do inefável selfista.  

Dizem que qualquer um ganha a segunda volta ( até Cavaco o conseguiu..) pelo que  nao espanta que o inefável o consiga ( e para muitos, demasiados até) merecidamente porque foi sendo um inefavel escudo de Antonio Costa e favor com favor se paga 

E nesta troca de favores lá há quem convença Antonio Costa que terá a vida facilitada se apoiar  o inefável … e nós atrevemo-nos a dizer – NÃO o faça !

As razões não ideológicas para não fazer sao obvias:

  1. O Covid-19 está somente no inicio e as segundas e terceiras ondas estao para com força suficiente para queimar um governo
  2. A crise nao é lusa, não é da UE é global e de solução bem mais instável que uma crise financeira pois seguirá um ainda desconhecido rumo 
  3. Os lobbies financeiros não esperavam esta paragem económica que põe a nu a sua fragilidade e releva o peso da economia real nao se sabendo o impato de tal na economia financista em todas as suas componentes
  4. Dificilmente se poderá agora esconder a interdependência nas economias e nas relações humanas e portanto nas relações politico institucionais o que releva a importância das instâncias internacionais e a sua democratizaçao 

Ora este ultimo item empurra-nos para as razoes ideológicas, 

2.1. Uma ONU que continua dominada pelos apparatchik das diplomacias pouco permitirá no avanço da interrelação entre a Cidadania, a Economia e as Comunidades e Pessoas diversas que somos 

2.2. Uma UE que está construida para satisfazer os numeros ( cidadaos por pais ) e nao as Pessoas ( cidadaos e, e em comunidades ) nunca potenciará nem uma economia nem uma sociedade solidaria

2.3. Gostem ou nao é por tal que as sociedades, as comunidades, as pessoas, se organizam na diversidade dos mitos, dos valores, dos objetivos e das práticas, e por tal nasceram as ideologias diversas os paridos e sindicatos e associações diversas 

2.4. O amalgamar estruturas que nasceram com uma saudavel diversidade nao valoriza pelo contrário põe em risco a Democracia como se viu na Alemanha, na França, na Espanha, na Grecia, … 

2.5. É possivel encontrar objetivos e politicas  comuns nas Esquerdas e daí a possibilidade de Unidade dinâmica como foi ( limitadamente porque limitado foi o acordo) a Geringonça

2.6. O fracasso do bloco central os erros resultantes dos acordos com as Direitas que fazem de Portugal um dos paises de pior distribuição da riqueza de mais baixos rendimentos do trabalho da UE de uma das mais frageis, por isso, economias internas sao prova da impossibilidade de acordos sustentáveis ao centro e à direita ( algo que no PS ha quem não entenda…) e tao somente pontuais. 

2.7. O nosso inefável selfista é um monarquico que nao se importa de roubar a roupagem de PR para se fazer rei em dois mandatos, é um manipulador capaz de caminhar da Direita que o elegeu para a Esquerda que ele espera que o eleja da mesma simples maneiro como a Direita o elegeu via media!

2.8. E amarrando uma parte da Esquerda amalgamada com uma parte da Direita lá se vai, via a intensa atividade do inefável, a construção nascida via 25 de abril, adicionada às intenções autoritárias de Spinola que impôs um CDS a um PSD nascido da Ala Liberal (anti) marcelista que aceitou um PS ( marxista e autogestionario) e engoliu com dificuldade um PCP ( o mais pró soviético da Europa não comunista e que fez esta curiosa e diversa Democracia lusa ! 

2.9. Mas não acusemos somente o inefável pois na verdade no PS via um Tó Zé Seguro pós Socrates reforçou-se neste partido a aliança entre a Esquerda catolica ( do padre Melicias e de Antonio Guterres, mas não só) e a Esquerda liberal ( de onde surgiu Socrates) e esta aliança nunca se deu bem com comunistas e bloquistas e lá se foi logo que possível a Geringonça para alivio também de não poucos comunistas e de muitissimos bloquistas

2.10. Estes anseiam pela ligação PS/PSD via o inefável pois tal, goste Porfirio Silva ou não, ganharão mais uns grãozinhos da engrenagem num estranho parlamentarismo nada condicente com os mesmos !

2.11. Resta a via das Esquerdas que conquiste espaço social entre o absentismo que dê origem uma economia solidária nem privatista nem estatista e onde claro ambos estejam presentes mas não dominantes, mas esta perspetiva parece ainda, apesar do Covid-19 e do fim da economia em si acima de tudo e todos, estar distante e no medo do futuro venha o inefável ! 

Não para nós ! 

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.