Home Angola Bloco Democrático denuncia a violência policial na Gabela

Bloco Democrático denuncia a violência policial na Gabela

por Joffre Justino
E37904DB-E82C-464C-A1BC-5A79A7214A7D.png

Este partido politico angolano, o Bloco Democrático, denunciou e repudiou as agressões de que foi vítima o seu Secretário Provincial do Cuanza Sul, António Correia, que mostram como no poder politico de Angola ainda existem demasiados vestigios do totalitarismo santista 

Foi a 29 de Abril que o Secretário Provincial do Bloco Democrático do Cuanza Sul, António Correia, foi vítima de brutais agressões físicas e verbais da parte de agentes da Polícia Nacional da República de Angola em serviço na Gabela, município do Amboim, beneficiando de um Estado de Emergência gerido como se vê por totalitários

Pelas 16h00,  a Polícia Nacional local bate indiscriminadamente e sem dó em crianças, jovens, adultos e até dementes e perante tal o também professor, António Correia, apercebendo-se do pânico gerado, e do ruído dirigiu-se à varanda do apartamento onde se encontrava, para ver o que se passava, tendo sido surpreendido por 2 agentes da polícia, 2 bombeiros e 1 militar das FAA, que subiram até ao 2° andar e invadiram o domicílio, alegando que o cidadão em referência estaria a captar imagens do “sururu” que assistia, sendo muito estranho que em um estado de direito não se possa filmar um incidente publico.

O professor perante toda aquela violência a envolver  a policial da invasão, questionou os agentes que responderam: “vais saber quando estiveres de baixo do prédio”. ..”e tão logo cheguei de baixo do prédio começaram a me agredir com porretes e frases pesadas do tipo, ‘albino de merda, pensas que és superior a nós por teres a cor diferente?'”, relevando o racismo anti albino ( um distúrbio hereditário raro em que pouco ou nenhum pigmento cutâneo melanina é formado) a exigir qualificação profissional no seio da policia angolana.  

O dirigente político foi posto à força no carro patrulha da polícia, e em 15 minutos acabou por receber ordem de descer do mesmo e regressar a casa, pois verificaram não existirem as alegadas imagens no seu telemóvel.

Perante esta ilegal brutalidade o Bloco Democrático “repudia veementemente a violência de que foi vítima o seu dirigente provincial” , testemunhados pelos Srs. Administrador Adjunto da Gabela, João Armando Bordal da Silva, Chefe do SIC, conhecido por Joãozinho, e Chefe das Operações, Tony Ana.

Para o Bloco Democrático o comportamento atentatório das regras de conduta num Estado democrático e de direito, “configura um acto claro de abuso de poder e intimidação de dirigentes políticos, encapotada numa suposta tentativa de evitar a transmissão comunitária da COVID-19”.

Mais ainda o estatuto de dirigente político permite estar atento às acções das entidades públicas sobre os cidadãos, “o que pode requerer a recolha de dados escritos ou fotográficos. Pelo que, ainda que o político do Bloco Democrático-BD estivesse a captar imagens, não se justifica a brutalidade contra si investida pelas forças de defesa e segurança, cuja desproporcionalidade na reacção denuncia que estavam a incorrer em práticas indecorosas e atentatórias ao Estado de Emergência, pois , diz o adágio popular: “quem não deve não teme”.”, diz o comunicado do Bloco Democrático.

9. O Bloco Democrático-BD denuncia que estas atividades policiais “visam inibir a intervenção pública dos actores não alinhados com o regime vigente e com influência no espaço social, tal é o nervosismo face ao fracasso das suas opções socioeconómicas”, pelo que apresentará uma queixa crime às autoridades de direito, para exigir a responsabilização dos autores morais e materiais das agressões ao seu Secretário Provincial do Cuanza Sul, Professor António Correia, para que a culpa não morra solteira.

Atente-se que o Bloco Democrático reconhece a pertinência constitucional de algumas acções do Executivo em tempos de emergência, mas perante os abusos visíveis “apela todos os cidadãos, partidos políticos, organizações da sociedade civíl e activistas cívicos, a manter uma vigilância e escrutínio activos e permanentes, como salvaguarda do devir democrático, do bem comum e da vida de todos,  conclamando ao exercício da solidariedade social.” 

 E claro o Estrategizando sempre com os que lutam pela Democracia e pelo seu reforço.

0 comentário
1

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.