Home Opinião Bolsonaro não perde uma para dividir interna e externamente

Bolsonaro não perde uma para dividir interna e externamente

por Joffre Justino

O presidente fascista brasileiro, Jair Bolsonaro, repetiu hoje quarta -feira (25) as ideias defendidas na sua intervenção feita ontem onde criticou as medidas de isolamento e quarentena tomadas por governos estaduais no combate ao coronavírus.

As ações de isolamento são recomendações de autoridades sanitárias, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e em vários estados do Brasil, os governos locais determinaram o fecho temporário do comércio, escolas e serviços não-essenciais para evitar o avanço do vírus.

Bolsonaro seguindo Trump disse que o isolamento gera uma crise económica e  desemprego, o que, segundo ele, pode levar a conflitos sociais e abalo na democracia, disse que espera que o vírus não mate ninguém, mas afirmou que outros vírus mataram e, nas palavras dele, não houve “essa comoção toda”.

“O que estão fazendo no Brasil, alguns poucos governadores e alguns poucos prefeitos, é um crime. Eles estão arrebentando com o Brasil, estão destruindo empregos. E aqueles caras que falam ‘ah, a economia é menos importante do que a vida’. Cara pálida, não dissocie uma coisa de outra”, afirmou o presidente a jornalistas na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada.

desconhecido.jpg
whatsapp-image-2020-03-25-at-09.34.18.jpeg

Entretanto Bolsonaro na conversa com jornalistas à porta do Palácio da Alvorada nesta quarta-feira (25), disse que está a conversar com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, para que o ministério passe a adotar a orientação de isolamento vertical.

“Conversei por alto com Mandetta ontem [terça], hoje [quarta] vamos definir essa situação. Tem que ser, não tem outra alternativa. A orientação vai ser o vertical daqui para frente. Vou conversar com ele e tomar a decisão. Não escreva que já decidi, não. Vou conversar com Mandetta”, disse.

https://globoplay.globo.com/v/8429702/

Assim nessa conversa Bolsonaro voltou a criticar especificamente os governadores de São Paulo, João Dória, do PSDB hoje da coligação do poder e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, o PSL, partido que sendo de Boldonaro se afastou dele.

“Alguns poucos governadores, não são todos, em especial Rio e São Paulo, estão fazendo uma demagogia barata em cima disso. Para esconder outros problemas, se colocam junto à mídia como salvadores da pátria, como o messias que vai salvar seus estados e o Brasil do caos. Fazem política o tempo todo.”

A declaração foi feita antes de uma videoconferência prevista entre Bolsonaro e governadores dos estados do Sudeste – Rio, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, onde sabendo-se serem quase todos da Oposição nao apontam para um diálogo fácil.

 O presidente disse que tratará de temas como a suspensão do pagamento da dívida dos estados com a União, adotado para dar fôlego financeiros aos governadores neste momento de crise.

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.