Home Internacional RPChina, os fanatismos, Trump, Boris Johnson, e as Democracias

RPChina, os fanatismos, Trump, Boris Johnson, e as Democracias

por Joffre Justino

Já depois de vivermos o desastre da China o sr Trump ironizava.

O sr Boris Johnson andou até ontem na linha capitalista conservadora do laissez faire.

Sobre eles nem Vargas Llosa nem muitos dos “brilhantes” experts sobre o coronavirus ( não é o nosso caso que nos preocupamos desde dezembro) se preocuparam com Trump, com Boris Johnson, nunca os criticando ( nem a Macron, nem aos 70% de Merkell, nem a Sanchez) 

O mundo tem 182,438 casos de coronavirus 

A RPChina vive assim o drama do Covid-19

Casos  – novos casos – mortes – novas mortes

80,881+213,226+13

Os EUA vivem-no assim

4,663+98386+18

O Reino Unido está assim,

1,543+15255+20

E há quem não entenda que a RPChina critique Vargas Llosa, face às suas “Opiniões irresponsáveis e preconceituosas” lembrando que por cá o coronavirus veio das irresponsabilidade italiana e das espanhas! 

Este autor peruano que foi prócubano e prósovietico e que com a invasão da Checoslováquia, em

1968 é que se afastou do sovietismo tendo sido depois um um lider da direita peruana, candidatando-e perdendo em eleições presidenciais e que hoje é … espanhol!

Assim ele escreveu um artigo em que afirmava que se a China fosse uma democracia não haveria pandemia de covid-19 o que vindo de um neofito das Espanhas é … ridiculo ! 

Na verdade, nas Espanhas o coronavirus vive-se assim, “Espanha com 11200 casos e 500 mortes. “Não temos testes para todos””, o que ao que parece Llosa ignoram nobelicamente! 

image.aspx.jpg

A China emitiu um comunicado em que critica o autor por expressar “opiniões irresponsáveis e preconceituosas” sobre as origens da pandemia de covid-19 num artigo onde Llosa escreveu para o La Ro que o surto teria sido diferente se a China fosse uma democracia. “Parece que ninguém percebe que nada disso teria acontecido no mundo se a China fosse um país livre e democrático, e não uma ditadura”, disse o vencedor do Prémio Nobel de Literatura de 2010.

Houve claro uma forte reação do governo chinês. “Respeitamos a liberdade de expressão, mas isso não significa aceitar difamações e estigmatizações arbitrárias”, disse a embaixada da China no Peru em comunicado. A embaixada apelou a Vargas Llosa “como uma figura pública, para não espalhar opiniões irresponsáveis e preconceituosas que não servem para nada”.

Vargas Llosa, de 83 anos, afirmou no seu artigo que “pelo menos um médico de prestígio, porventura vários, detetou o vírus muito cedo e, em vez de tomar as medidas correspondentes, o governo tentou ocultar as informações e silenciar essa e outras vozes sensatas, tentando abafar a informação, como fazem todas as ditaduras.”, mas nada dizendo quanto aos ignorados cientistas da saúde nos EUA, no Reino Unido, nas Espanhas, enfim democracias fora! 

Na verdade, ditaduras ou Democracias, todos reagiram mal face ao Coronavirus! 
Uma nota final – um cientista portugues a cumprimentar a RPChina e o seu papel transparente no apoio e na circulação da informação cientifica!

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.