Home Turismo Aeroporto em Monte Real? Boa solução para a Região Centro

Aeroporto em Monte Real? Boa solução para a Região Centro

por Joffre Justino

Como o aeroporto de Lisboa estará a  “a rejeitar 2 milhões de passageiros anuais, por falta de capacidade …  está na altura de se abrir a base aérea de Monte Real à aviação civil, o que é uma forma de aliviar a pressão sobre o aeroporto de Lisboa”, argumentam Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro assim como o presidente da câmara de Leiria, Raul Castro, que tem vindo a apelar publicamente à abertura de um aeroporto na base aérea de Monte Real.

Para o presidente do Turismo do Centro, converter a base aérea de Monte Real num aeroporto será um processo que se afigura rápido e “possível com um investimento de 30 milhões de euros, infinitamente menor que outros investimentos” em infraestruturas aeroportuárias, designadamente o Montijo. 

Pedro Machado lembra ainda que o Centro de Portugal é a única região-plano do país a não ser servida de aeroporto, e enfatiza os impactos que os voos comerciais em Monte Real poderiam ter a nível de investimentos no território. “Seria uma mais-valia significativa para a hotelaria e a restauração, assim como para a indústria de moldes e do vidro nesta região”.

Pedro Machado alertou para a necessidade de um aeroporto em Monte Real durante o encontro internacional de turismo religioso que decorreu em Fátima, onde participaram 160 operadores turísticos de mais de 40 países, e que se complementa este sábado com um workshop na Guarda, mais especializado na herança judaica o wue a acontecer diga-se será contra as regras de combate ao coronavirus 

A Ryanair apresentou durante o encontro de profissionais em Fátima uma nova rota aérea entre Lourdes e Lisboa – e segundo Pedro Machado, em condições ideais estes voos seriam destinados a Monte Real caso houvesse um aeroporto operacional, atendendo até à falta de capacidade em Lisboa. “É um sinal evidente de que chegou a altura de se avançar com uma estrutura aeroportuária no Centro de Portugal, que sirva o santuário de Fátima. Se Lourdes é viável, um aeroporto que sirva Fátima também o será”, sublinhou Pedro Machado, chamando a atenção para o movimento crescente que as cidades-santuário estão a gerar a nível mundial, e o potencial de Fátima neste campo.

Só o destino Fátima garante a viabilidade do aeroporto de Monte Real, sem contar com outras cidades do centro do país que estão a ter um dinamismo crescente no turismo ou nos negócios (como Coimbra, Aveiro ou Viseu), segundo defendeu Pedro Machado durante o encontro internacional de operadores de turismo religioso em Fátima.

“Fátima recebeu 7 milhões de visitantes em 2018, de acordo com os números divulgados. É uma cifra que, por si só, consegue sustentar a operação de um aeroporto”, frisou o presidente do Turismo do Centro, lembrando ainda que “um estudo apresentado pela Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria demonstra que são necessários entre 600 mil e 700 mil passageiros por ano para o aeroporto de Monte Real ser viável. E só com os peregrinos de Fátima, reúne todas as condições objetivas para poder ser uma realidade”. 

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.