Home Opinião Ah! Os vistos gold valem mais que a crise do clã dos Santos?

Ah! Os vistos gold valem mais que a crise do clã dos Santos?

por Joffre Justino

Ah! Os vistos gold valem mais que a crise do clã dos Santos? 

Estamos em plena crise na CPLP ( ou acham que Angola e as suas crises internas nao se repercutem nos PALOP e claro em toda a CPLP?) e na AR ao discutir setorialmente o OE os deputados lusos preocupam-se com os vistos gold com os tostões e não com os milhões?  

Disse Santos Silva que os vistos gold têm “um efeito muito limitado” na atração de investimento, mas “o país não pode dispensar-se de fazer como a galinha e ir enchendo grão a grão a sua economia”, esquecendo os quantos grãos o país vai perder com o acelerar da crise angolana? ( de Santos Silva não acredito, mas cercado que está pela incompetência diplomatiana..) E os deputados … nada dizem perante um Santos Silva que falava na Assembleia da República, no debate na especialidade do Orçamento do Ministério dos Negócios Estrangeiros para 2020?

O MNE respondia ao deputado do PAN, André Silva, que preocupado com os grãos a ganhar citou um relatório do Ministério da Administração Interna (MAI) divulgado pela TSF pois a ausência de controlo do programa apontada no relatório faz com que a revisão do Programa de Autorização de Residências para Atividades de Investimento (ARI), como são designados os vistos “gold”, prevista no OE2020, seja “um verdadeiro salto no escuro”.

Que fazer,  terá pensado um MNE que não acreditamos que nao esteja sob forte tensao face ao caso clã dos Santos ao ter de dar resposta, ao “grave caso” dos vistos gold de André Silva, ….e portanto Santos Silva lá defendeu o programa, assegurou que as falhas apontadas no relatório do MAI já foram corrigidas, designadamente, em 2019, partindo de uma recomendação da OCDE aprovada pelo Parlamento, a comunicação entre o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e a Autoridade Tributária, para o controlo da origem de capitais, perfeita resposta que esqueceu todo o escândalo do Eurobic, da Efacec da “matter and father” de Isabel dos Santos 

E o ministro pacientemente lá explicou que  “mais de 20 dos 28 Estados-membros” da União Europeia têm regimes semelhantes para atração de investimento e que em Portugal, uma investigação, que chegou a tribunal, sobre o programa, acabou “sem condenações” relacionadas com os vistos “gold”.

E se o programa, que em 2019 registou uma quebra de investimento de 11,4% em relação ao ano anterior Augusto Santos Silva lá admitiu que “o programa tem um efeito muito limitado”, mas defendeu que o país não deve abdicar de um programa que é mais uma porta para a entrada de investimento.

Já quanto à revisão incluída no OE2020, o ministro recusou qualquer “um salto no escuro”, assegurando tratar-se de “uma medida sensata” de reorientação do programa “para outros mercados” com o objetivo de favorecer o investimento em determinadas zonas, nomeadamente nas regiões de baixa densidade.

E ao lado de mais uma “tempestade perfeita” lá terminou uma pequena preocupação de Santos Silva que como outros certamente sabe que os 27 de maio angolanos nascem sempre por via das guerras de poder que matam milhares e mudam rumos ( em 1979 perante o fracasso soviético em substituir o colonialismo portugues acedeu na divisão de Angola entregando os petróleos aos americanos, pelo menos até ver se o apartheid desaparecia e como …)… e nao é que a riqueza dos angolanos aplicada ilegalmente em Portugal ( e não só do clã direto dos Santos) vale talvez mil vezes o total dos vistos gold por cá havidos? 

Que acontecerá em Angola, que farão os angolanos em Portugal, exigirão o retorno do total dos capitais por aqui aplicados, vindos de Angola? Resistirá o BPI, … o BCP… até a CGD? … lá se vai a redução da divida? 

E não falemos do Imobiliário dos automóveis de luxo dos escritórios de advogados,  das PwC …! 

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.