Home Angola Angola, desemprego, uma promessa que corre mal

Angola, desemprego, uma promessa que corre mal

por Joffre Justino

A organização da manifestação anunciou que além de Luanda, a marcha contra o desemprego, agendada para a manhã de hoje decorreu também nas províncias de Malanje, Bengo, Cuanza Norte, Lunda Norte, Uíje e Benguela.

“O objetivo é relembrar os 500.000 empregos que o titular do poder executivo, João Lourenço, prometeu aquando da sua campanha eleitoral, em 2017, e estamos na terceira edição da marcha contra o índice elevado de desemprego no nosso país”, disse à Lusa Donito Carlos, membro da organização.

Por cá, de fora, era onvio que se tratava de mera promessa a que a 22 de julho de 2017, em plena campanha eleitoral para as eleições gerais de agosto, em Angola, João Lourenço, prometeu e que, aconteceria numa só legislatura,  criando pelo menos meio milhão de empregos e reduzir um quinto à taxa de desemprego de 28,8%, segundo os mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), referentes a 2018.

“Como sabemos em Angola há um índice elevado de desemprego e queremos fazer lembrar aos gestores públicos que o emprego é importante para a vida das pessoas e que o desemprego marginaliza”, justificou Donito Carlos. 

Aliás esta foi ja a terceira marcha contra o elevado nível de desemprego em Angola, que juntou umas largas dezenas de jovens e foi bloqueada pelas forças policiais num erro de apreciação inutil diga-se 

Entretanto, o Presidente angolano, em abril deste ano, aprovou em decreto o Plano de Ação para Promoção da Empregabilidade (PAPE) que disponibiliza 21mil milhões de kuanzas (51,7 milhões de euros) para promover o emprego, que “deverão ser criados e absorvidos pelo setor produtivo da economia”, para dar cumprimento à promessa feita em 2017 com a verba para este PAPE a vir do Orçamento Geral do Estado, OGE, e do Fundo de Petróleo.

Para o primeiro ano de execução do PAPE, o Governo angolano estimou um custo superior a 7.600 milhões de kwanzas, estando igualmente prevista a possibilidade de outros financiamentos alheios ao OGE e ao Fundo do Petróleo.

Travar as expectativas da juventude é sempre um erro que se paga tarde ou cedo e que a concentraçao da riqueza havida em Angola ajuda a acelerar 

Nardia M

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.