Home Ambiente O Turismo é sustentável consoante o numero de utentes?

O Turismo é sustentável consoante o numero de utentes?

por Joffre Justino

Mais valia aos turismologos portugueses procurarem no site da OMT, Organização Mundial do Turismo, qual a visão dobre o tema desta instituição das Nações Unidas…

Mas os dados merecem sim reflexão pois o número de hóspedes em Portugal cresceu 32% desde 2015, fixando-se em 25,2 milhões em 2018, ( bem… Macau tem mais de 16 milhões..), o que é um  valor recorde que leva a que  o Governo, assuma por tal a sustentabilidade do turismo!

 Na verdade, os dados do Instituto Nacional de Estatística, INE, divulgados na sexta-feira, e que a Lusa retoma, apontam a que o número de hóspedes se cifre, em 2018, nos 25,2 milhões e as dormidas em 67,7 milhões, ( 2,7 noites utente o que é bem fraco), tendo correspondido a aumentos de 5,1% e 3,1%, respetivamente, contra crescimentos em 2017 de 12,9% e 10,8%, pela mesma ordem.

Diz o INE que de 2015 e 2018, “Portugal cresceu 45% em receitas turísticas, 32% em hóspedes, 27,5% em dormidas e 51,2% em proveitos”, via o comunicado, do Ministério da Economia.

As regiões que mais cresceram em três anos foram os Açores, 61,7%, muito boa noticia, o Alentejo, 38,9%, o Norte, 36,1%, e o Centro, 35,3%, “o que significa que o turismo se está a alargar a todo o território”o que é realmente importante, aliás as dormidas nos territórios do interior avançaram 36,8%, entre 2015 e 2018, face a 25,9% nos territórios do litoral.

“Estes resultados mostram que o turismo continua a crescer de forma sustentável, quer em termos de valor, quer a alargar ao longo de todo o território e ao longo do ano”, afirmou, citada no mesmo documento, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho e é aqui que temos de deixar sérios avisos ao governo – a) a sustentabilidade deve relacionar o impato das importações face ao crescimento do Turismo e às suas receitas por forma a vermos se há crescimento em valor acrescentado e de produtos nacionais no processo turístico e 

b) qual o impato ambiental em qualidade do ar e água do crescimento do Turismo 

Sao importantes e positivos o crescimento mostrado é importante como refere a governante que explicitou que, em 2018, Portugal atingiu a taxa de sazonalidade mais baixa de sempre, agora nos 36%, mas tal não reflete a noção global de sustentabilidade, como é muito bom que Portugal esteja “a conseguir diversificar mercados, o que nos tem permitido estes resultados. É este o caminho que temos de continuar”, mas é insuficiente!

Joffre Justino

Imagem destaque: Lusa 

0 comentário
1

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.