Home África Os Chefes da diplomacia da CPLP mentem-nos e calam a prisão de opositores na Guiné Equatorial !

Os Chefes da diplomacia da CPLP mentem-nos e calam a prisão de opositores na Guiné Equatorial !

por Joffre Justino

A  01 de março, de 2019, a justiça da Guiné Equatorial prendeu “preventivamente”  Joaquín Eló Ayeto, um ativista e militante da Convergência para a Democracia Social, CPDS, um partido da oposição na Guiné Equatorial, que aliás  está numa ‘cela isolada’ na prisão de Black Beach, na capital, Malabo, e sobre a qual recaem várias denúncias de violações de direitos humanos.

Ainda na véspera de ter sido presente a tribunal, o opositor denunciou ter sido torturado no posto central da polícia de Malabo, onde esteve detido no final de fevereiro por ter comentado “algures”, que o Presidente Obiang “não regressará do périplo que está a realizar pelo país”, acrescentou o CPDS.

Esta é a Guiné Equaterial que os chefes da diplomacia da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP, pensam que podem esconder à opinião publica falante em portugues ao inventarem hoje um pseudo “empenho” da Guiné Equatorial no processo de integração na organização, enquanto ( e dá para rir!) aguardam a abolição da pena de morte no país… aos anos! 

Imaginem que até saiu um comunicado final de uma XXIV reunião ordinária do conselho de ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa, CPLP, que se realizou hoje na cidade do Mindelo, ilha cabo-verdiana de São Vicente, onde no maior escândalo foi aprovada uma resolução sobre o “Apoio à Integração da Guiné Equatorial na CPLP”! 

Estes ministros que se sentaram ao lado do hoje sabido corrupto Jose Eduardo dos Santos, saudando a sua “transparência”, e que calam o golpe anti Dilma a prisao de Lula e e o fascista Bolsonaro, estes ministros dos Negócios Estrangeiros/Relações Exteriores lusófonos referem que “saudaram” a realização da Missão de Acompanhamento do Programa de Adesão da Guiné Equatorial à CPLP, entre os dias 05 e 07 de junho de 2019, chefiada pelo embaixador cabo-verdiano, José Luís Monteiro que nao foi mais que mais um escandalo ! 

“Recordando o mandato conferido ao Secretariado Executivo pela XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo (Santa Maria, 17 e 18 de julho de 2018), felicitaram as conclusões resultantes desta missão, encorajaram o Comité de Concertação Permanente a formular iniciativas concretas para a melhor integração da Guiné Equatorial na Comunidade, e tomaram nota, com satisfação, do empenho deste Estado-membro no seu processo de integração”, lê-se  neste sem vergonha comunicado final.

Em concreto, explicou no final da reunião o chefe da diplomacia de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, está a necessidade do ensino da língua portuguesa e, como principal recomendação, a abolição da pena de morte na Guiné Equatorial – dois compromissos assumidos pelas autoridades de Malabo aquando da adesão à CPLP como membro de pleno direito, na cimeira de Díli em julho de 2014 e nada de referencias às fraudes à corrupção aos presos políticos na Guiné Equaterial 

“A proposta de abolição, em termos legais, já foi entregue ao parlamento da Guiné Equatorial. Acreditamos que até ao final do ano haverá uma decisão definitiva em relação a esta questão. Ou seja, a abolição da pena de morte na Guiné Equatorial”, enfatizou o ministro dos Negócios Estrangeiros e Comunidades de Cabo Verde que imagine-se foi tudo de novo empurrado para um futuro inseguro qualquer setembro! 

O Movimento CPLP com Cidadania mostrou-se completamente escandalizado com mais esta submissão a um dos piores ditadores de sempre em África  e exigiu uma retratação dos diplomatas da CPLP se ate dezembro de 2019 nada acontecer em prol do Direito à Vida e da Democracia na Guiné Equatorial ! 

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.