Home Opinião Governo lança “Future-se” e intervém na Universidade Lusofonia Afro-Brasileira

Governo lança “Future-se” e intervém na Universidade Lusofonia Afro-Brasileira

por Silvio Reis

Um dia antes do lançamento do Future-se, projeto do Ministério da Educação para universidades públicas brasileiras receberem recursos do empresariado, o presidente Bolsonaro anunciou uma intervenção na Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira, no Ceará e Bahia. 

A Unilab, lançada no governo Lula, tem 6,5 mil alunos e prioriza o intercâmbio com países africanos de língua portuguesa. De imediato, a intervenção suspendeu o vestibular que reservava 120 vagas para transgêneros e intersexuais.

Ao lançar o Future-se, na manhã de 17.07, o governo brasileiro deixou clara a intenção de alterar radicalmente o papel social das universidades públicas brasileiras. É uma medida inconstitucional. A Constituição Federal de 1988 garante que “universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial”

A reação da União Brasileira dos Estudantes foi imediata. O novo presidente da UNE, Iago Montalvão, foi eleito no domingo, 14.07, durante o 57º congresso da instituição. Com a campanha “Devolva o nosso futuro”, já foi marcada uma greve nacional para 13 de agosto.

Imagem destaque: campus da Universidade Federal do Sergipe

Silvio Reis, jornalista brasileiro

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.