Home Opinião E entre “banqueiros” fala-se grosso?