Home Nacional As novas prioridades do governo segundo António Costa

As novas prioridades do governo segundo António Costa

por Joffre Justino

Os “marqueteiros” já ganharam os dias no pós eleições preocupante, vendendo uma receita magica para captar eleitorado para o secretário-geral do PS que assim definiu como prioridades centrais na próxima legislatura o combate à corrupção e o investimento na qualidade dos serviços públicos, além da meta da dívida pública abaixo dos 100% em 2023.

Foram estes os temas abordados por António Costa no discurso de abertura que fez na Comissão Política Nacional do PS, adiantando que irão constar no programa eleitoral do seu partido no capítulo sobre “regras de boa governação”.

Até 2023, se o PS voltar a formar Governo, na sequência das eleições legislativas de 06 de outubro próximo, segundo o líder socialista, as prioridades vão passar pelo “reforço da democracia”, com o aprofundamento da descentralização e combate à corrupção”, pela “manutenção” de um quadro económico de “contas certas”, pelo investimento na melhoria dos serviços públicos e pela valorização das funções de soberania.

Seria pois interessante que o PS levasse para o parlamento a regra das Primárias para todos os partidos ( começando por a aplicar a si próprio ) e da organização dos candidatos pelos eleitores  enquanto modelo de reforço do incentivo à participação. 

Quanto à valorização das funções de soberania, António Costa observou que Portugal assume a presidência da União Europeia no primeiro semestre de 2021, em que terá as relações com África como tema central “Temos uma necessidade de reforçar a nossa democracia, o que significa prosseguir o processo de descentralização e aumentar os mecanismos de transparência e de combate à corrupção, sem o que a democracia é minada e a confiança dos cidadãos nas instituições é seriamente afetada”, salientou Antonio Costa nada dizendo sobre tema como as Primárias 

Para a próxima legislatura, António Costa destacou a necessidade de o país “manter as contas certas, continuando a ambição de Portugal ter uma política económica estável que lhe permita prosseguir uma trajetória com a União Europeia … Devemos alcançar o objetivo a que nos propusemos de conseguirmos colocar a nossa dívida pública abaixo de 100% do Produto Interno Bruto, PIB, até ao final da legislatura”, em 2023, apontou.

Além da parte económico-financeira, o secretário-geral do PS sustentou que a prioridade na presente legislatura “passou pela recuperação dos direitos que tinham sido cortados a todos os trabalhadores da administração pública, repondo os seus rendimentos e carreiras”.

“Agora, considero imprescindível um reforço muito grande e significativo do investimento na qualidade dos serviços públicos prestados aos cidadãos. Repostos os direitos é necessário avançar naquilo que é indispensável para melhorar a qualidade dos serviços públicos”, nada dizendo sobre o principio da coesão económica e social interna e intra UE e claro sobre a Democracia económica a negociação coletiva de trabalho e a participação dos trabalhadores na gestão das organizações 

Na verdade nem ha receitas magicas nem palavras mágicas, ha sim que reconhecer que urge mais Democracia mais participação em Portugal na UE e na CPLP .

Foto de destaque: Antonio Cotrim/LUSA

JJ

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.