Home Economia A guerra China/Hwawei/EUA explicada

A guerra China/Hwawei/EUA explicada

por Joffre Justino

Com esta intensa guerra comercial entre a China e os EUA com elevação de taxas e tarifas de ambos os lados, e com o Departamento de Comércio dos Estados Unidos a banir a Huawei do mercado norte-americano defendendo que a gigante chinesa é uma ameaça à segurança nacional do faltava que o fascista e estratega  da campanha de Donald Trump à presidência em 2016 Steve Bannon, voltasse a terreiro em entrevista nesta quarta-feira 22 para dizer que “é dez vezes mais importante isolar totalmente a Huawei dos mercados ocidentais do que chegar a um acordo comercial com a China” num percurso mais que xenófobo na verdade anti economia de mercado.

O jornalista Pepe Escobar descreve a Huawei como a rainha da tecnologia em um tabuleiro de xadrez. “Não é o peão, é a rainha. Se você captura essa rainha, você pode desmontar o jogo inteiro.” O motivo, explica Escobar, é “porque eles são os mais avançados no mundo em 5G, e tudo o que vai acontecer daqui para frente em termos de inteligência artificial, aplicações de robótica industrial, comunicação em tempo real pela net, vai ser por 5G, e a Huawei está na frente de todo mundo”.

Numa visita a um dos laboratórios de ponta da Huawei, em ‎Shenzhen, em 2016, Pepe disse que teve exatamente a mesma impressão de quando esteve na Samsumg em 2000 e viu produtos que a empresa somente colocou no mercado a partir de 2007. “O que eu vi na Huawei, em Shenzhen, é o que vai chegar daqui a quatro, cinco anos no mercado. Como, por exemplo, um relógio 5G que você pode fazer tudo …têm um mini-Vale do Silício, entre Shenzhen e Dongguan, no sul da província de Guangdong, onde muitos dos melhores engenheiros estudaram em universidades americanas, tinham possibilidade de terem empregos absurdos no Vale do Silício, mas preferiram voltar para a China. 

E eles mesmos dizem, abertamente, que ‘o futuro é aqui'”, explica Escobar. A razão, conta o jornalista, é “porque o investimento deles em pesquisa e desenvolvimento é uma coisa de dezenas de bilhões de dólares. É ao nível da Google, mas muito mais avançado porque são aplicações práticas. A Google se concentrou em dominar o espectro na internet”.

Pepe Escobar explica: “Eles tinham um plano B, que agora virou o plano A, que começa pela internet. É o sistema operacional deles. Ou seja, a Google, a curto ou a médio prazo, pode até perder o monopólio que ela tem do Android, que é um sistema muito bom, mas a Huawei tem um Android ‘plus’. O sistema operacional da Huawei, que eles estavam guardando só para os telefones deles, estará nos smartphones deles e vão começar a ser vendidos para o mundo inteiro”.

E nada como recordar vai haver “muita gente comprando produtos Huawei como protesto político contra a guerra americana e contra essa demência imperial. Isso a gente vai ver na África, no Oriente Médio, na Ásia inteira, na América Latina. E não só pela qualidade do produto, que é melhor e mais barato do que Apple. Ninguém mais compra iPhone na Ásia. A margem de perda da Apple na Ásia é brutal. E não é só para a Huawei, eles estão perdendo para a Xiaomi, chinesa, para a Oppo, chinesa também, muito mais do que para a Samsumg, que já estavam perdendo há alguns anos”, conta Pepe.

Joffre Justino

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.