Home Cidadania Um 8 de março de luta feminista

Um 8 de março de luta feminista

por Nardia M

No oito de março para além da greve internacional feminista, haverá uma performance contando com cinquenta textos sobre 50 mulheres que acontecerão em três cidades de Portugal, assim como em localidades da Colômbia, Paraguai, Argentina, México, e em Londres, chamando a atenção para a violência doméstica.

Em Alcobaça a encenação sob o título “Mulheres nascida de um nome” no dia 08, Dia Internacional da Mulher, em Alcobaça, tem por objetivo “chamar a atenção para as vítimas de violência doméstica” e “sensibilizar a comunidade para os direitos das mulheres e para a eliminação de todas as formas de discriminação”, segundo disse Diana Bernardes, encenadora do Teatro da Transformação à Lusa

Esta iniciativa percorrerá a cidade e tem como base o convite do encenador argentino Claudio Hochman para interpretar os seus 50 textos sobre 50 mulheres, onde “Cada nome representa uma mulher”, explicou a encenadora, adiantando que “os textos vão aumentando o número de palavras”.

“A primeira, Sofia, tem uma frase”, a última “Maria, tem seis páginas” de uma história que representa não apenas a sua protagonista, mas “todas as Marias, a Maria que sofre, a Maria das Dores e tantas outras”, acrescentou.

Haverá neste evento também uma caminhada performativa entre o Rossio, praça defronte do Mosteiro de Alcobaça, e o tribunal, em que todos os que quiserem participar entoarão “Maria”, ao longo do percurso decorado com frases.

Ao convite de Claudio Hochman responderam em Portugal, ainda, a cidade de Aveiro, a freguesia de Carnide, em Lisboa e a localidade de Parede, Cascais onde os textos serão dramatizados por companhias locais, serão base para performances de dança ou para instalações de áudio e vídeo tal como sucederá na Colômbia, no Paraguai, na Argentina, no México e em Londres, onde, os textos servirão de base para espetáculos que assinalarão o Dia Internacional da Mulher, “dando voz às mulheres vítimas de violência e a uma realidade contra a qual o teatro pode ajudar a lutar”, disse à Lusa Diana Bernardo.

Foto de destaque:

Nardia M.

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.