Home Opinião Bolsonaro estará quase só na sua tomada de posse

Bolsonaro estará quase só na sua tomada de posse

por Joffre Justino

Depois do PT, o PSOL e o PCdoB também não vão comparecer à posse de Jair Bolsonaro (PSL) marcada para o dia primeiro de janeiro. 

O PDT de Ciro Gomes acompanhou o PSB e decidiram ambos que vão  dar liberdade de opção às respectivas bancadas parlamentares para que cada parlamentar aja conforme sua consciência mas os líderes dos dois partidos já revelaram que não estarão presentes.

Como noticiamos, o PT foi o primeiro a manifestar publicamente seu repúdio ao ato oficial de posse de Bolsonaro, apresentando os seus motivos  para este boicote – o ataque permanente a seus militantes promovido pelo presidente eleito e aliados, incluindo aí manifestações e ameaças de prisão e morte, a vergonha da condição de presidiário de Lula, mantido em cárcere desde abril e sem provas, além do uso das fake news nós diríamos shit news para ganhar  a eleição. 

Aliás tal como fez a líderes de países progressistas do continente americano alguns desconvidados ou nem chamados, também o PCdoB também foi afastado do rol dos convidados apesar de ser um dos partidos com maior numero de eleitos no Brasil e está anti democrática atitude de Bolsonaro mais justificou o boicote  quer pelo PCdoB quer por aqueles que já assumiram esta atitude 

Num comunicado o PSOL  avisou que não só não irá estar na posse como estará desde o primeiro dia do ano nas ruas para denunciar o governo e eventuais ameaças contra a democracia. Eis a nota:

“Como é de praxe, a bancada do PSOL na Câmara dos Deputados foi convidada pelo Tribunal Superior Eleitoral para a posse de Jair Bolsonaro, no próximo dia 1º de janeiro, em Brasília. A posse é um ato formal da Justiça Eleitoral, mas também é um momento de festa. Mas para o PSOL não há nada a comemorar.

O governo que se iniciará no próximo dia 1º tem como princípios o ódio, o preconceito, a intolerância e a violência. Bolsonaro e seus ministros desprezam os direitos humanos, a soberania nacional, a democracia e os direitos sociais. Defendem a criminalização dos movimentos sociais e o cerceamento à livre organização política; idolatram a natureza autoritária e criminosa da Ditadura Civil-Militar; defendem a entrega das riquezas e patrimônio nacionais aos Estados Unidos; desprezam os direitos das minorias; atacam a liberdade de imprensa e a liberdade de ensino. Bolsonaro representa o atraso em todos os sentidos. Por isso não há razão para comemorar.

Ademais, é sempre bom lembrar que tramita contra Bolsonaro na Justiça Eleitoral ação que pede a cassação de sua chapa. Os crimes eleitorais dos quais é acusado – dentre eles, uso de recursos empresariais para disseminação de mentiras em massa via redes sociais – precisam ser investigados. Sua vitória, além de se assentar no medo e na desilusão com o sistema político brasileiro, também se deve à fraude promovida pelas mentiras disseminadas contra seus adversários.

Por essas razões, o PSOL não comparecerá à posse de Jair Bolsonaro. Estaremos nas ruas, desde o primeiro dia de governo, defendendo a democracia, os direitos do povo brasileiro e a soberania nacional contra aqueles que querem fazer o Brasil retroceder a 1964. Seremos resistência, desde o primeiro dia do governo Bolsonaro, nas ruas e no parlamento, em defesa do povo brasileiro.

Executiva Nacional do PSOL

28 de dezembro de 2018

Foto de destaque: Visualhunt

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.