Home Catalunha E quando houverem mortos?

E quando houverem mortos?

por Joffre Justino

A luta política contra a Independência Catalã a servir de escudo contra a Esquerda nas Espanhas e não só sabendo todos nós que as Direitas se mantiveram no poder nas Espanhas à custa das divisões entre nacionalistas.

Só que agora a luta dos nacionalistas acaba por ser uma luta que afeta o crescimento do sentimento não nacional mas também europeu como alias pudémos constatar em entrevistas com militantes do PCE absolutamente federalistas face às Espanhas mas pouco interessados em refletir sobre a ideia de Nacionalidade, basca, catalã, ou galega…

Ontem dia de aniversário do referendo boicotado pelo poder centralista de direita do PP claro que iria haver confronto e assim pouco depois de ter começado uma manifestação independentista em Barcelona, com largos milhares de pessoas a aderir começaram os primeiros incidentes com a polícia local os já tristemente famosos Mossos de Esquadra e os manifestantes e com as barreiras de segurança a serem derrubadas junto ao Parlamento, sendo que segundo media como o El País nunca os manifestantes tinham chegado tão perto das portas do hemiciclo nunca claro desafio ao novo poder madrileno agora de Esquerda isto é socialista.

À violência aconteceu também esta noite já perto da sede da Polícia Nacional, em Barcelona e em Girona, com grupos de pessoas – que festejava igualmente o aniversário do referendo à independência a forçar um cordão policial perto de uma delegação do Governo.

Os Mossos de Esquadra foram atacados com objetos vários assim como os edifícios aí localizado se a polícia Reagiu com material antimotim, tendo dispersado as pessoas aí concentradas ja no final da manifestação que assinalou o primeiro aniversário do ‘referendo 1-O’ onde sucedeu a vitória do “Sim” à independência da Catalunha.

Se até a polícia Catalunha instrumento de ocupação estimou em 13 mil o número de pessoas presentes, até se pode dizer que os organizadores foram minimalistas ao falarem numa participação de cerca de 50 mil manifestantes a larga maioria bem jovens.

Exemplarmente à frente da manifestação via – se uma das urnas utilizadas no referendo do ano passado e um grande cartaz com o seguinte “Nem esquecimento nem perdão” o que não pode ser visto sem preocupação se se for favorável às Espanhas centralistas seja-se ou não Rajoy.

No topo das reivindicações estava claro “o regresso dos exilados e a liberdade dos presos políticos”, que todos os centralistas tudo fazem por esquecer e adicionalmente a critica à ação das Mossos de Esquadra no passado sábado, por terem dispersado violentamente uma manifestação independentista.

Houve claro desde o início da manhã de segunda-feira, bloqueamentos de autoestradas, de linhas de caminho de ferro e de várias artérias da cidade de Barcelona, como forma de assinalar o primeiro aniversário do referendo de autodeterminação ilegalizado.

Estranhamente continuam agoras os centralistas das Esquerdas a recusarem aos independentistas catalães um referendo regional sobre a independência da Catalunha, como sucedeu no Quebeque, Canadá, ou na Escócia, Reino Unido.

Na verdade a dita Constituição de Espanha uma quase imposição dos resquícios da ditadura franquista apenas permite um referendo que ponha em causa a unidade do país se o mesmo for realizada a nível nacional o que o torna impensável e impõe à violência como solução como crescentemente acontece

As eleições regionais, de 21 de dezembro último, voltaram a ser ganhas pelos partidos independentistas e nove dirigentes independentistas estão presos esperando ainda julgamento por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato pelo seu envolvimento na luta independentista num comportamento mais que totalitário ridículo do poder do sr Rajoy que se espera que finde com os socialistas no governo.

Na verdade com o acicate de estarem na oposição é evidente a vontade de impor mortos na Catalunha para romper a ligação com os socialistas que os mantêm no poder !

Ora como sabemos as Direitas das Espanhas monarquistas nunca se importaram muito em matar, se das mirres resultarem ganhos políticos económicos e sociais – o Franco que o diga !

Foto de destaque: Energético on Visual hunt / CC BY-NC

Joffre Justino

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.