Home Cidadania O alojamento para estudantes é caro?

O alojamento para estudantes é caro?

por Antonio Sousa

Do Facebook tiram-se também interessantes  reflexões a pôr algum  bom senso no ar apesar da crescente loucura mediática que por aí anda sobretudo desde que o PR selfies tomou posse 

No entanto sabemos os esforços das famílias para que os “seus miúdos” tirem licenciaturas e sabemos que por detrás desses esforços estão muitos e grandes sacrifícios também como sabemos que à especulação imobiliária está a tornar crescentemente impossível que muitos miúdos cheguem à licenciatura 

Por outro lado o espantoso é que as agências imobiliárias estão transformadas em campos de abuso laboral onde o trabalhador não é trabalhador é “Sócio empreendedor” escravizado a uma marca que abusa em cada “serviço” que diz disponibilizar e num mercado que tem um óbvio limite e onde a desenfreada concorrência alimenta desenfreadamente a especulação manipulando as pequenas poupanças quase lembrando a velha senhora essa ao menos avó simpática dona Branca ! 

Mas claro que ainda vai havendo soluções sendo que a primeira ser o Estado pôr ordem na selvática loucura em que vivemos.

Mas “Preparem-se e leiam com calma”, diz um facebokiano que se assume Zé de Baião e nos diz para debate: 

No ano anterior alguém ficou desalojado? Não!  

Procurem com calma. Não se deixem levar pela pressão e muito menos pela especulação.  Há alojamento mais económico na periferia dos pólos universitários. Procurem junto da linha de metro ou em locais bem servidos por autocarros. Andar 20 ou 30 minutos a pé ou de transporte público é muito perto e pode corresponder a uma boa poupança. 

Mas vejamos: 

● 1- O Estado não tem residências suficientes para alojar todos os estudantes deslocados (deverá ter? Os estudantes querem quartos partilhados? São suficientes para alojar os bolseiros deslocados, que têm prioridade?)

● 2 – O custo médio por cama (muitos quartos são duplos) nas residências de estudantes ronda os 150€ por mês e não estão sujeitos ao imposto de 28% (na Univ. do Porto foi de 1.477€ anuais em 2016).

● 3 – As receitas geradas só cobrem cerca de 70% dos custos globais do alojamento em residência de estudantes. 

● 4 – Um quarto arrendado por 200 euros, mais 28% de impostos fica em 256€. Se somarmos as despesas de água,  luz, tv e internet, o quarto ultrapassa com facilidade os 300€;

● 5 – No Porto, junto aos pólos universitários,  ainda há quem alugue quartos individuais entre 200€ a 250€ com tudo incluído. Serão assim tão caros? Calma a procurar!

● 6 – Se o Estado não tem resposta adequada/equilibrada é óbvio que vai disparar a especulação. Quando é que se olha para o alojamento de estudantes em quartos particulares como uma resposta parceira dos Serviços de Acção Social? Quando entra em vigor a isenção de impostos para os casos em que o alojamento/preço de cama estejam alinhados com os preços médios das residências de estudantes?

● 7 – Um quarto nas residências de estudantes pode chegar aos 300 euros, não estão sujeitos aos 28% de imposto e ainda são financiados pelo Estado. Nas residências da Universidade do Porto um quarto single custava 245€, o quarto duplo 195 €/pax e o quarto de casal 380€.

Já Teresa Barros diz-nos  depois de ler Zé de Baião 

Há dezoito anos um quarto, pequeno, mobilado, em casa partilhada, a um quilómetro + ou -da FEUP, no Porto, custava duzentos euros, acrescentando ainda luz, água, gás…

E Cristina Vinagre acrescenta

Eu cheguei a pagar num quarto partilhado em 1999 150€ mais despesas…

Há pois que saber que nem tanto ao mar nem tanto à terra e estarmos atentos ao mercado ao mesmo no seu todo.

António Sousa

0 comentário
0

RECOMENDAMOS

Comente

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e gestão de seus dados por este site.